Voltar

Superelástico conduz eletricidade mesmo esticado

Equipe do eScience participa de pesquisa que inova em circuitos eletrônicos flexíveis

Uma novidade no campo da física de materiais está chamando a atenção. Um elástico que estica até 30 vezes seu comprimento e que, mesmo assim, mantém condutividade é uma inovação que pode ter aplicações diversas e importantes como para braços robóticos e marca-passos.

A pesquisa foi coordenada pelo físico norte-americano Ray Baughman, do Instituto Nanotech da Universidade do Texas em Dallas e teve participação de cientistas do eScience, através do professor Douglas Galvão, do Departamento de Física Aplicada do Instituto de Física Gleb Wataghin (IFGW) da Unicamp. O pesquisador, que colabora há 20 anos com o instituto de Dallas, participou junto com seu grupo do Laboratório de Sólidos Orgânicos e Novos Materiais.

A ideia foi esticar fibras de borracha e recobri-las com nanotubos de carbono, que são condutores de energia. O receio era de que, de tão esticado, o material não conduzisse eletricidade. Mas deu certo: o fio não perdeu a propriedade.

Foi o terceiro artigo na revista Science sobre essa pesquisa. O grupo do professor Galvão teve dois trabalhos publicados na Nature Communications e outros dois na Scientific Reports, só nesse ano de 2015.

Veja o artigo na íntegra: http://www.sciencemag.org/content/349/6246/400

Mariana Castro Alves é jornalista e bolsista Fapesp para divulgação do CEPID Centro de Pesquisa em Engenharia e Ciências Computacionais

 

 


NOTÍCIA EM DESTAQUE

A nanotecnologia contra o aquecimento global

Os nanomateriais têm as suas dimensões em nanoescala e são dotados de características inovadoras, tendo sido a base de várias aplicações tecnológicas nos últimos anos. Uma recente pesquisa desenvolvida pela Unicamp sugere que os chamados nanorolos de grafeno podem ser usados na redução da emissão de gás carbônico para a atmosfera.
NOTÍCIAS MAIS LIDAS